Notícia

Segurança

quarta, 24 de abril de 2019
Paraná registra um acidente de trabalho a cada 12 minutos

Trabalhador da construção civil: área tem campanha nesta semana (Foto: Valquir Aureliano).

Ano após ano, uma verdadeira tragédia se abate sobre o Paraná. Entretanto, não se trata de desastres naturais, guerra ou até mesmo alguma alta nos índices de violência. São os acidentes de trabalho, registrados, em média, a cada doze minutos no Estado, segundo informações do Anuário Estatístico de Acidentes do Trabalho (AEAT), divulgado pela Previdência Social, órgão ligado ao Ministério da Economia.

Entre 2015 e 2017, último ano com dados disponíveis, foram registradas 133.222 ocorrências desse tipo no Paraná. Ao todo, 629 trabalhadores perderam suas vidas - sendo que o ano com maior ocorrências foi 2017, com 222 -, ao passo que outros 2.739 ficaram incapazes permanentemente, o que dá a assustadora média de cinco trabalhadores incapacitados a cada dois dias em decorrência de acidentes de trabalho.

Considerando-se a Classificação Nacional de Atividade Econômica (CNAE), temos que a indústria da transformação é a que concentra o maior número de acidentes, com 42.746. Em seguida aparece o comércio, reparação de veículos automotores e bicicletas, com 19.854 casos, e os as atividades ligadas à saúde e serviços sociais, com 12.174.

Os cinco primeiros lugares das atividades econômicas ainda trazem a presença do setor de transporte, armazenagem e correio, com 9.951 casos, ao passo que o setor de construção fecha o top five, com 7.836 registros.

Embora o cenário já seja alarmante, Adir de Souza, presidente do Sindicato dos Técnicos de Segurança do Trabalho no Estado do Paraná (Sintespar), alerta que os dados oficiais podem ser apenas a ponta do iceberg. "Os números são grandes, uma verdadeira tragédia. Mas esses são só os dados oficiais, de trabalhadores com carteira assinada. Aí não está o trabalhador autônomo, o trabalhador rural. Isso está muito longe da realidade", afirma Adir. 

Entre os problemas mais recorrentes, destacam-se traumas em membros superiores, principalmente punhos e mãos, e problemas ósseos-musculares, como tendinite e dores musculares. Uma outra situação, porém, vem na crescente nos últimos anos: os transtornos mentais, como a depressão e os casos de estresse pós-traumático, entre outros.

Canteiro de obras são alvo de campanha de prevenção da Secretaria de Saúde 

O Paraná tem hoje 123 mil trabalhadores na área da construção civil. De acordo com informações do Observatório de Saúde e Segurança no Trabalho e do INSS, os maiores índices de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho são registrados em canteiros de obras. A campanha da Secretaria de Estado da Saúde no Abril Verde 2019 tem o objetivo de alertar e sensibilizar profissionais e empresários do segmento. A campanha de prevenção a acidentes de trabalho foi lançada pela secretaria na segunda-feira, em Curitiba, e segue até sexta. "A construção civil paranaense é um ramo de grande importância econômica e se destaca como provedora de empregos, mas também é responsável por um número significativo de acidentes graves e fatais", explica o diretor do Centro Estadual de Saúde do Trabalhador (CEST), Elizeu de Oliveira Freitas.

Fonte: Portal Tri